Avançar para o conteúdo principal

Um dia a casa vai abaixo...

Sempre levei a vida com entusiasmo, com alegria e optimismo!
Para mim, o copo estava sempre meio-cheio!
Se algo não corria bem, eu pensava, podia ter sido pior!
Se alguém não estava bem, eu dedicava-me a colocar essa pessoa para cima, a ver o lado bom da vida e tudo o que temos de bom à nossa volta!
Os meus amigos saibam que podiam contar sempre comigo para isso!
Diziam que eu era forte e corajosa, que enfrentava e resolvia os meus problemas e dos outros sem grande dificuldade!


Mas um dia a casa vai abaixo!
A capa de Super-mulher cai!
E a minha caiu.
Senti um vazio, que não se pode explicar!

O corpo respondeu á mente, para me alertar que algo não estava bem comigo, e não valia a pena continuar a fazer-me de forte, porque nem força nem equilíbrio tinha para sair da cama para o sofá!

O médico chamou-lhe depressão!
E encheu-me de coisas para dormir, mais anti-depressivos, etc.
Das poucas vezes que me fui abaixo ao longo da vida, sempre consegui dar a volta sozinha, desta vez não deu!
Desta vez, tive que descer ao fundo do poço, para conseguir ganhar impulso para voltar para cima, a subida está lenta, as paredes do poço são escorregadias e traiçoeiras, mas aos poucos vou conseguir. Pelo menos já vejo a luzinha lá em cima, á minha espera!

Tenho que agradecer aos meus amigos que me têm dado força!

Agradeço-te também meu amor por teres permanecido a meu lado, e pela paciência que tens tido, e pelo carinho com que me tens tratado!

Obrigado Mamã, por tratares do meu menino melhor do que eu alguma vez conseguiria!

Comentários

Sandra Simões disse…
Tenho a cereteza que vais conseguir superar esta fase menos bonita ou agradável, que estás a vivenciar. Estou aqui para ti, para te escutar e aconselhar sempre que necessitares. És forte, e nunca o esqueças, és linda por dentro e por fora e sabes disso, por isso olha em frente, que a luz do astro aquece de mansinho os teus sonhos e te ajudará a concretizá-los.
Uma grande beijoca.Adoro-te mana.
Sandra
Anónimo disse…
Tudo se resolve, nem que seja passo a passo, devagar devagarinho, tens que animar e deixar os pensamentos negativos. Que tal uns dias aqui com a cunhadinha? Eu sei que estou "longe" geograficamente, mas sempre que tiveres oportunidade vem. Este fim de semana há aniversário da nossa sobrinha, fala com o tio ocupadíssimo e subam para estar em família. Beijos grandes
Bela Isa disse…
Sim, penso que não nos conheçamos, mas o amigo realmente é comum!
Obrigada pela visita, pelo comentário, pela "voz da experiência" que dá mais valor e mais força às minhas palavras.
Aparece sempre! Nice blog também! :) Escrever liberta-nos, permite dizer melhor o que vai cá dentro, sem medos, receios ou rodeios. Força!
MÓNICA disse…
Muito obrigado pelos comentários!
Prometo escrever em breve mais animada do que agora!
Bjks às 3!

Mensagens populares deste blogue

Vida depois da morte...

Doar o meu corpo à Ciência!!! Tenho esta ideia há muito tempo, mas só hoje tratei de tudo...

Talvez porque hoje se assinala mais um aniversário da morte da minha prima. Tinha 29 anos, acidente de mota e fim!!! Acabou tudo de repente e abalou para sempre as nossas vidas. Um primo do outro lado da família morreria passados 6 meses, do mesmo modo.
É claro que ninguém pensa no que se quer que se faça depois da morte, aos vinte e tal anos!!! Nem aos trinta e nem aos quarenta. Mas a Morte é o que todos nós temos como certo.
Espero estar a meio da minha vida. Espero morrer velhinha, cheia de rugas, gaiteira e ter desculpa para comer Nestun (ou cerelac) todos os dias, mas ninguém sabe o que nos espera...
Lido com a Morte há demasiado tempo. Comecei cedo demais. Aos 22 anos a cuidar de corpos sem vida, ainda quentes, acabados de morrer!  Era demasiado nova... Claro que depois queria era desanuviar e ir dançar uma noite inteira para me esquecer. Não resultou! Ainda me lembro de muitos. Outros esqueci, felizm…

E de repente o mundo mudou...

Comecei o ano cheia de boas intenções, que lá ficaram, exatamente no mesmo sítio, no início do ano.
A nossa vida mudou, o país e o mundo também. As minhas intenções resumem-se agora a: Sobreviver, Protegerosmeus.
O Coronavírus SARS CoV 2 ou COVID-19 transformou-se numa pandemia a nível mundial. Entraremos em breve em estado de emergência. As escolas fecharam, a maior parte dos espaços públicos e muitos serviços também. Quem pode está em casa em teletrabalho ou isolamento social e só vai trabalhar quem é obrigado. Profissionais de saúde, forças de segurança, bombeiros, super/hiper-mercados, etc.
O meu hospital está em estado de alerta! Todos os dias mudam o modo de funcionamento das coisas para adaptar os recursos que temos à realidade com que nos deparamos. Estamos todos a aprender. Cancelaram algumas coisas, reduziram outras, mas não podemos parar. Faz hoje 23 anos que entrei nesta "casa IPO" e nunca vivi um momento como este!
Todos os dias são um campo de batalha, e eu, ao contrário…

Sinto falta de um abraço...

Hoje foi talvez o dia mais difícil desde que estamos em estado de emergência com isolamentos, quarentenas e afins!
A minha menina fazia 8 anos! Já tínhamos reservado um espaço para lhe fazer a festa, com os convites já feitos, lista de amiguinhos, ía ter pinturas faciais, piscina de bolas, fatos para se mascararem, várias atividades, bolo do Snoopy, etc. Quando percebemos o andar das coisas, ainda antes da escola fechar, percebemos que não iria haver festa. O Coronavírus não ía deixar. Cancelamos. Optamos por deixá-la com a minha mãe, porque tanto eu como o pai temos que continuar a trabalhar e não podíamos arriscar a vir para casa contaminados, estar com ela e ela contagiar a avó.
No dia 16 de março de manhã, despeço-me dela à porta da minha mãe com o último abraço, um beijinho meio a medo, dado na cabeça e sigo para o trabalho de coração desfeito. Sem saber quando a poderei voltar a abraçar. Choro todo o caminho e sinto que vou para a guerra. Sinto-me impotente perante um inimigo invisíve…