Avançar para o conteúdo principal

Dia mau...

Hoje o dia foi para esquecer!
Depois de um mês com depressão; na última semana, super bem disposta!
Animada, e a tratar do visual!
Como o meu atestado terminou, na 6ª feira passada, Hoje a menina foi trabalhar!
Continuo a não poder conduzir, porque a quantidade de drogas continua a mesma, mas aprendia quais os transportes públicos, para lá chegar!
Hoje, até tive sorte porque o meu amor, foi mais cedo e deu-me boleia!
Os colegas contentes por me verem de novo.
E como a minha chefe não estava a contar já comigo, eu nem tinha tarefas atribuídas!
Uma vez que a Chefe-mor não ia trabalhar hoje, a 2ª Chefe, deixou-me á vontade para ir fazendo algumas coisas, que habitualmente faço em 10 minutos, as quais hoje demorei quase uma hora, e que tiveram que ser revistas e emendadas pela Chefe, e por outros colegas que tinham realmente TRABALHO para fazer! Não consegui escrever ao ritmo que os colegas iam falando, que costumo fazer com facilidade, apanhei metade do que disseram, (nem tanto!)
Comecei a sentir-me frustrada, inútil, esquecendo o que me pediam ao fim de 5 minutos, a sentir-me cada vez pior, á beira das lágrimas, cada vez que alguém me perguntava o que se passava...
Se calhar foi precoce, porque apesar de me ter sentido muito melhor, cá dentro, as bases ainda não estavam sólidas, e desmoronei...
Saí uma hora antes de terminar o turno, (também só lá estava a atrapalhar, e a deixar os colegas preocupados e talvez até incomodados ao verem-me a chorar, por não poderem fazer nada para ajudar)!
Mas as mãos que me passaram pelas costas, os abraços que me deram de apoio, mesmo quem só olhava e sorria pra mim, as palavras de coragem e de apoio com que me presentearam, souberam muito bem, mesmo quando a Jô ralhou comigo e me mandou parar de chorar porque éramos umas mulheres fortes, (ela quando manda é a sério), mesmo assim, soube bem, e as palavras podem não fazer efeito imediato, como a Regi gostaria, mas ficaram cá todas!
Obrigado a todos os colegas que comigo estiveram hoje, Vaz, VF, MRod, RFranc., RSacar, DVale, SCord, Jô, Regi, JA-fumeiro, LilP, Mar..., MrtLam, NrGonç, ...etc, etc.
Um Obrigado mt especial à CCsta a 2ª Chefe, que teve paciência para os meu erros e falta de concentração, num dia que foi muito pior para ela do que pra mim, mesmo depois de ter sido assaltada dentro do nosso serviço, ainda teve uma palavra de carinho para mim, (coisa não habitual nela, como todos sabemos, inclusive ela própria)!
Obrigado às pessoas que me apoiaram depois: a minha mãe, que me foi buscar e me mimou muito, o meu marido que apesar de ausente por motivos de força maior, me ligou hoje, bem mais de 10 vezes, preocupadissímo comigo, ás amigas que me ligaram e me apoiaram como a Regi a TêCsta, a minha amiga de há 22 anos SISS, e a minha Cunhadinha!
Prometo, não a ninguém, mas a mim mesma, que o dia amanhã vai ser novamente para voltar a subir os degraus que hoje, infelizmente desci ...
Amanhã vou ao meu médico, que também tem uma paciência, para me aturar!! E depois logo se vê...
Mas não me vou fechar em casa novamente, nem que compre uma bicicleta (não tenho espaço para a colocar)... só se a colocar dentro do carro, estacionado à porta, e sem uso!
ou então um skate... mas partir agora um braço ou uma perna, não me dá muito jeito....
Acho que vou comprar uns ténis, e ando a pé, e tenho a minha mãe, que está sempre disponivel, além de tratar do meu menino lindo, coisa que agora não me sinto capaz, e tenho as minhas amigas especiais que estão à distância de um telefonema, elas sabem quem são, SISS, Regi, TêCsta, DoisemUm. E o meu amor que apesar de estar muito longe, me apoia em cada telefonema!
Um beijinho especial para todos!

Comentários

Bela Isa disse…
Força. Um dia de cada vez. Já subiste muitos degraus... o mais difícil é começar, o resto vem com o tempo.
Sorri, sempre.
E se não for amanhã, ou daqui a uma semana... será quando estiveres preparada. Cada pessoa tem o seu tempo e o seu espaço... cada um tem a sua escada e os seus degraus... e tu, melhor que ninguém, vais perceber quando lá chegares ao topo, ou tiveres força suficiente para aguentar a subida sem quedas.
Beijinho grande. E sopra, com força, toda a energia negativa para fora... deixa dentro de ti apenas a vontade de seguir em frente!
Sandra Simões disse…
claro que não tens sido cruel, tonta. Tu não o és. Adoro a tua veracidade e frontalidade. Gostava de ser mais assim às vezes, mas cada qual é como é, paciÊncia.
Obrigada a ti também por seres a amiga fant´stica que és. Muita força.

Quanto aos degraus, vais subindo na medida do teu ritmo, sem stresses. Respeita-te e aprende a conhecer os teus limites, e dá um pontapé na frustração que com o tempo, as coisas voltam ao devido lugar. Estamos aqui todos, para te apoiar e animar, o resto vem devagar, mas virá, verás.
MÓNICA disse…
Sandra e Bela Isa:- muito obrigado às duas pela força que me têm transmitido! Desculpem a falta de comentários meus nos blogs, mas tenho-os visitado
Sandra, és minha amiga há mais de 20 anos, obrigado por termos conseguido manter sempre esta amizade!
Bela Isa, ainda nem te conheço, mas já gosto de ti, e já te considero minha amiga, pelas lindas palavras com que me tens presenteado!
Muitos beijinhos ás duas!

Mensagens populares deste blogue

Vida depois da morte...

Doar o meu corpo à Ciência!!! Tenho esta ideia há muito tempo, mas só hoje tratei de tudo...

Talvez porque hoje se assinala mais um aniversário da morte da minha prima. Tinha 29 anos, acidente de mota e fim!!! Acabou tudo de repente e abalou para sempre as nossas vidas. Um primo do outro lado da família morreria passados 6 meses, do mesmo modo.
É claro que ninguém pensa no que se quer que se faça depois da morte, aos vinte e tal anos!!! Nem aos trinta e nem aos quarenta. Mas a Morte é o que todos nós temos como certo.
Espero estar a meio da minha vida. Espero morrer velhinha, cheia de rugas, gaiteira e ter desculpa para comer Nestun (ou cerelac) todos os dias, mas ninguém sabe o que nos espera...
Lido com a Morte há demasiado tempo. Comecei cedo demais. Aos 22 anos a cuidar de corpos sem vida, ainda quentes, acabados de morrer!  Era demasiado nova... Claro que depois queria era desanuviar e ir dançar uma noite inteira para me esquecer. Não resultou! Ainda me lembro de muitos. Outros esqueci, felizm…

E de repente o mundo mudou...

Comecei o ano cheia de boas intenções, que lá ficaram, exatamente no mesmo sítio, no início do ano.
A nossa vida mudou, o país e o mundo também. As minhas intenções resumem-se agora a: Sobreviver, Protegerosmeus.
O Coronavírus SARS CoV 2 ou COVID-19 transformou-se numa pandemia a nível mundial. Entraremos em breve em estado de emergência. As escolas fecharam, a maior parte dos espaços públicos e muitos serviços também. Quem pode está em casa em teletrabalho ou isolamento social e só vai trabalhar quem é obrigado. Profissionais de saúde, forças de segurança, bombeiros, super/hiper-mercados, etc.
O meu hospital está em estado de alerta! Todos os dias mudam o modo de funcionamento das coisas para adaptar os recursos que temos à realidade com que nos deparamos. Estamos todos a aprender. Cancelaram algumas coisas, reduziram outras, mas não podemos parar. Faz hoje 23 anos que entrei nesta "casa IPO" e nunca vivi um momento como este!
Todos os dias são um campo de batalha, e eu, ao contrário…

Sinto falta de um abraço...

Hoje foi talvez o dia mais difícil desde que estamos em estado de emergência com isolamentos, quarentenas e afins!
A minha menina fazia 8 anos! Já tínhamos reservado um espaço para lhe fazer a festa, com os convites já feitos, lista de amiguinhos, ía ter pinturas faciais, piscina de bolas, fatos para se mascararem, várias atividades, bolo do Snoopy, etc. Quando percebemos o andar das coisas, ainda antes da escola fechar, percebemos que não iria haver festa. O Coronavírus não ía deixar. Cancelamos. Optamos por deixá-la com a minha mãe, porque tanto eu como o pai temos que continuar a trabalhar e não podíamos arriscar a vir para casa contaminados, estar com ela e ela contagiar a avó.
No dia 16 de março de manhã, despeço-me dela à porta da minha mãe com o último abraço, um beijinho meio a medo, dado na cabeça e sigo para o trabalho de coração desfeito. Sem saber quando a poderei voltar a abraçar. Choro todo o caminho e sinto que vou para a guerra. Sinto-me impotente perante um inimigo invisíve…