Avançar para o conteúdo principal

Queridos pais, atinem ou fujo de casa

Vi este texto aqui, e achei o máximo!

Queridos pais, atinem ou fujo de casa

Cheguei há meia dúzia de meses e não quero criar mau ambiente. Li sobre essa teoria dos bebés revirarem a vida dos pais, mas lamento informar que vocês o conseguem fazer sozinhos.
Sou bebé, tenho seis meses e preciso de desabafar. Juro que tenho uma crise de choro se me voltam a perguntar "É menino ou menina?". Sou menina, não se vê logo? E parem de me tratar como se aqui não estivesse. Desde que nasci, existo na 3ª pessoa do singular: ela chama-se, ela gosta, ela comeu, ela isto e aquilo. Ela está aqui a ouvir tudo – ouviram? 
E "ela" fala, palra, grunhe. Vocês é que não entendem, e eu ando a falar para mais bonecos do que os que vivem no meu quarto. Aproveito para dizer que já tenho três ursos e um pai barbudo e, se me oferecem mais um, vou achar que nasci numa família de ursos que raptou a mãe. Portanto, inscrevi-me no sindicato deste lar-doce-lar e tenho algumas reivindicações a fazer. 
Cheguei há meia dúzia de meses e não quero criar mau ambiente. Li sobre essa teoria dos bebés revirarem a vida dos pais, mas lamento informar que vocês o conseguem fazer sozinhos, sem precisar da minha ajuda. Os vossos olhos ensonados e cabelos desgrenhados metem qualquer fantasminha a um canto. Só de vos ver, faço xixi nas fraldas. Sugiro que se penteiem antes de aparecerem no meu quarto a meio da noite. 
Ontem esforcei-me por avisar que estava com dor de barriga: avisei uma, duas, três vezes, e vocês nada. "Gugu dadá", e já só perceberam quando sentiram o cheiro. Outra coisa: caso não saibam, é que sempre que me elevam no ar, fico enjoada. E bolso, porque vocês adoram fazer essa gracinha depois de me darem de comer. É física, sabiam?
Ah, e as mãozinhas das visitas em cima de mim... Umas mais cheirosas que outras, mas adiante, os amigos são vossos. Lá porque gosto de festinhas e de leite, não sou um gato. Depois de uma centena de festinhas, sinto-me amassada e não acarinhada. 
Mamã, quando o pai me troca a fralda, esquece-se de usar o creme muda fraldas. Pai, quando a mãe me dá banho, fico com sabão nos olhos. E depois anda por aí a lançar o boato que eu não gosto de tomar banho. Injusto. Podes mostrar-lhe aquele vídeo de como dar banho ao bebé? Prometo que não choro no teu turno da noite na próxima semana. Mas aviso-vos já que não estou para aturar as vossas distrações. Já chorei, berrei e até gemi. Se continuarem, fujo de casa assim que começar a andar.
É claro que gosto de vocês. Muito. Embora não tenha termo de comparação. Parecem-me um pouco desorientados, mas há imensas coisas de que estou a gostar. De ir para a vossa cama de manhã, do colinho a meio da noite, de quando me levam a passear pela casa. Do solzinho que entra pela janela. E dos Daft Punk. 
Mas onde é que estavam com a cabeça quando compraram o tapete do meu quarto? Se a ideia era colorir o meu estado de espírito, acertaram. Acordo tranquila a olhar o tecto branco, mas assim que pouso os olhos no tapete, fico logo com vontade de saltar do berço e dançar hip hop. Inquietam-me aquelas manchas vermelhas. Isso e o urso gigante que o avô ofereceu. Xoné? Não tinham um nome mais apropriado para um urso de peluche? Sugiro que comecem a juntar uns trocos, pois quando crescer vou ter de explicar ao psicanalista que o meu melhor amigo de infância era o Xoné, que não se aguentava em pé.
Continuemos a anotar as coisas que me agradam, sim? Ao estilo daquele programa que tenho de "gramar" todos os Sábados. Gosto da luva com fantoches, do caranguejo de plástico, do boneco-cão e do livro com barulhos. Tudo o resto, podem dar. Gosto da papa e do leite, não gosto da sopa. É insonsa. Gosto das calças de ganga e dos pijamas-saco. Não gosto, nem vou gostar nunca, de camisolas de enfiar pela cabeça. Passar a cabeça por um buraco mais pequeno que a minha cabeça é um trauma que jamais esquecerei. Gosto das maminhas da mãe. Das duas. Não gosto que me enfiem soro pelo nariz abaixo. Gosto do dedo-águia do pé do pai. Não gosto do senhor do café, nem de ir às vacinas. E lacinhos na cabeça? Caros papás, não tenho cabelo, isso acaba já aqui, hoje.
O berço não é um posto de trabalho. De manhã quero estar na espreguiçadeira e, à tarde, no chão. E sociabilizar, por isso, faço questão que se sentem no sofá ao meu lado. Se quiserem ir à casa de banho, não vão aos pares, com essa nem a mim enganam. Desaparecerem lá para dentro a fazer outras coisas, também não gosto. Quando me derem leite, olhem para mim, não falem para o lado ou vejam televisão. Está provado que as famílias que fazem refeições juntas são mais felizes.
Entretanto, já sinto saudades. Quando nasci, o pai enxotava-me as moscas, a mãe esterilizava os biberões. Seguravam-me a cabeça, pousavam-me com delicadeza no berço, falavam baixinho. E compravam-me fraldas sem ser de marca branca. Gostava disso. Podem voltar a ser assim? 
Finalmente, quando estou realmente chateada, quero o colo da mãe. Isto não é negociável. É que ela tem um não-sei-quê que, quando me pega, me faz sentir que sou a sua bebé. E me dá a certeza de que Laura há só uma e sou eu.
Sofia Anjos, 38 anos, directora de contas numa agência de comunicação, foi mãe pela primeira vez em Maio. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Adeus... Até um dia...

Lembro-me de ti!
Lembro do teu cheiro, um misto de tabaco com outra coisa qualquer!
Ninguém tinha uma avó fumadora! Eu tinha!
Eras tão engraçada, tão gozona, tão divertida!
Lembro tão bem das tuas gargalhadas, mais parecia que estavas a ficar sem ar,
Lembro de andares pela casa a cantarolar meio a assobiar de um jeito que não consigo imitar,
De fumares com um braço apoiado por baixo das mamas e o outro por cima de maneira à mão com o cigarro estar sempre perto da boca, e o cigarro chegava ao fim com um arco de cinza pegada ao filtro bem equilibrado! Não sei como conseguias...
Lembro de ficares na conversa até de madrugada,
De acordarmos ao meio-dia e fazeres umas batatas meio fritas com ovos, era a melhor coisa do mundo para pequeno almoço,
Ninguém tinha avós a acordar ao meio dia! Eu tinha!
Lembro-me do cheiro a sabonete Fá na casa de banho dos azulejos verdes!
Lembro-me da cozinha enorme antes das obras e de comer presunto à mesa contigo e com o avô!
Lembro-me que me davas nestun …

"Recado" com 20 anos que me fez tão feliz... "As Minhas Super Enfermeiras"

Se há dias em que a nossa vida tem um propósito e que faz todo o sentido, hoje foi esse dia!

Pensares tantas vezes se devias ter seguido esta carreira? Hoje tiveste a resposta que sim, devias mesmo ter seguido esta carreira de enfermeira!
Pensares por vezes se estás a trabalhar no sítio certo? Sim, estás e com muito orgulho em todos os que comigo trabalharam ao longo destes 20 anos!

Pensar que fizeste a diferença na vida de muita gente, a diferença para melhor, ainda que hoje não trabalhes diretamente com os doentes, trabalhas com os profissionais que cuidam desses mesmos doentes e tentas fazer a diferença também na vida deles, apesar de não tão visível e significativa, mas ainda assim necessária.

Hoje recebi uma mensagem de um anjo que tratei há 20 anos!
Mandou-me também a foto de um papel que guarda há 20 anos.
Tem a data de Outubro de 1997, e o título "As Minhas Super Enfermeiras", só por isto já valeu a pena acordar hoje às 6 da manhã para ir para o sítio do costume.
Con…

Sortuda do caraças...

De repouso forçado uma semana!
As dores estúpidas e lacinantes que comecei a sentir no ombro de repente no domingo vieram-se a revelar uma tendinite calcificante e uma ruptura muscular também!
Apesar de tudo tenho uma sorte do caraças e só tenho a agradecer!
Tive a sorte de estar sempre à hora certa no sítio certo. Consegui fazer rx na mesma hora que cheguei ao serviço de radiologia para fazer só a marcação, consegui uma ecografia dum dia para o outro (costuma demorar imenso). Fui encaminhada para um ortopedista especialista em ombro do Hospital da Luz e por coincidência a minha nova companhia de gabinete trabalhou com ele e arranjou-me consulta de ontem para hoje em Oeiras.
Chego ao Hospital da Luz e as cancelas do estacionamento estavam avariadas pelo que não paguei parque de estacionamento e nem precisei de andar às voltas à procura de sítio porque têm parque subterrâneo. Nem apanhei frio, foi só subir o elevador.
Pessoas super atenciosas, tudo bonito, a sala de espera com vista pa…